Notícias
Notícias
29/06/2022
PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS: Pernambuco dá sinais de que não vai baixar ICMS da gasolina
Paulo Câmara, Governador de Pernambuco, que foi secretário de Fazenda, mostra preocupação com queda nas receitas e falta de compensação aos Estados. Nesta guerra do preço dos combustíveis, o governo de Pernambuco dá sinais de que não vai baixar o ICMS sobre a gasolina, como defende Bolsonaro. Pernambuco já está se defendendo na ação movida contra os Estados no STF. Nesta quarta-feira, as partes voltam a se encontrar, mas o secretário de Fazenda de Pernambuco, Décio Padilha, já deu sinais de que haverá judicialização e que não há como abrir mão do ICMS, sem compensação de receitas. O assunto é discutido no STF na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 984, na qual o ...

Conheça os números do Mercado de Combustíveis no Brasil
Marcio Borba - 29/04/2022

A concentração na oferta sempre causa desajustes e distorções em qualquer segmento econômico.

Quando se estabelece em um setor crucial como o de distribuição de combustíveis, neste caso, gasolina e diesel, se torna um peso gigantesco e quase insuportável para toda a sociedade.

Estamos falando de um mercado de 62,1 bilhões de litros de óleo diesel, máxima histórica registrada em 2021, na esteira do bom desempenho da agropecuária, da mineração, da construção civil e do comércio eletrônico.

Também falamos de 39,3 bilhões de litros de gasolina em 2021. Alta de 9,7% em relação a 2020.

São mercados imensos que comportam dezenas de concorrentes, porém, sofremos neste segmento, distribuição de combustível, do mesmo mal que acomete outros setores da economia nacional: concentração da oferta.

E a má notícia é que o setor de distribuição de combustíveis fechou o ano de 2021 com maior grau de concentração do que tinha em 2020.

De acordo com dados da Agência Nacional de Petróleo - ANP, a participação de mercado das três líderes, Vibra (ex-BR Distribuidora), Raíze e Ipiranga, somadas, alcançou 69,81% nas vendas de diesel, o que representa alta de 1,4 ponto percentual em relação a 2020 e 62,13% na gasolina, com crescimento em relação a 2020 de 2,2 pontos percentuais.

Participação da Vibra, Raízen e Ipiranga nas vendas de diesel e gasolina no mercado brasileiro

Obs. Dados da participação somada das 03 distribuidoras: Vibra, Raízen e Ipiranga.

Foi uma reversão da tendência de desconcentração observada nos últimos anos na distribuição de diesel e gasolina.

Uma saída para esta concentração é a importação, porém, a viabilidade da importação depende muito da política de preços praticada pela Petrobrás.

Quando os preços da Petrobras ficam abaixo da paridade internacional, as importações perdem atratividade.

Oportuno lembrar que a própria Petrobrás foi monopolista do mercado de refino até 2021. Este monopólio só foi quebrado no fim de 2021, com a conclusão da venda da refinaria RLAM (BA) para o Mubadala. Portanto, hoje temos 11 refinarias com a Petrobras e 01 com a Mubadala.

• A Raízen (incluídos os números da Petróleo Sabbá) aumentou em 1,68 p.p. a fatia no mercado de diesel e em 1 p.p. no mercado da gasolina.

• A Vibra viu sua participação aumentar 1,2 p.p. na gasolina e 0,2 p.p. no diesel.

• Já a Ipiranga perdeu mercado: 0,5 p.p. no diesel. Na gasolina, a participação se manteve relativamente estável.

Quanto aos preços, a gasolina subiu cerca de 46% em 2021. Segundo dados da ANP (Agência Nacional de Petróleo), o combustível custava, em média inicial, R$ 4,6 na bomba dos postos de combustíveis. Em dezembro, preço médio era de R$ 6,67, flutuação entre R$5,2 a R$7,9.

O diesel também teve alta semelhante. Passou de R$ 3,6, para R$ 5,3, Alta de 47%. Flutuação entre R$ 4,00 e R$ 6,9.
Outros combustíveis

O etanol teve queda de 13% nas vendas entre 2021/2020, perfazendo 2021 na marca de 16,7 bilhões de litros vendidos, bem abaixo do recorde de 22 bilhões de litros de 2019.

Em 2021 o etanol teve alta de preço de 59%. Saiu de um preço médio de R$ 3,2 em janeiro e passou para R$ 5,1 em dezembro.

As vendas de querosene de aviação (QAV) continuaram abaixo da época pré-pandemia, porém 22,8% acima do desempenho do ano 2020, totalizando 4,3 bilhões de litros em 2021, informam os dados levantados pela ANP.
Ao fim e ao cabo, verificamos que o mercado de combustíveis no Brasil, dada a dinâmica da sua economia e a extensão do seu território, é gigante e não se concebe mais vivermos sob o julgo de monopólios e concentrações na oferta, que exploram e subjugam as empresas e a economia popular.








Outras Notícias

01/07/2022 - Intenção de consumo entre brasileiros cresce pelo...
29/06/2022 - PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS: Pernambuco dá sinais de que...
22/06/2022 - Como EUA e Brasil enfrentam alta da gasolina
17/06/2022 - Preços dos Combustíveis no Brasil
16/06/2022 - Juros nos EUA: como maior alta da taxa desde 1994 pode...
15/06/2022 - Copom eleva taxa Selic a 13,25% ao ano, maior juro...
02/06/2022 - Amazônia: a mais rica e cobiçada região brasileira
13/05/2022 - A pandemia, a guerra na Ucrânia e a inflação pelo...
29/04/2022 - Governo federal amplia redução no IPI para 35%
25/04/2022 - Ministério da Economia anuncia medidas para facilitar...
12/04/2022 - Câmara aprova prorrogação do Pronampe
08/04/2022 - O PIB na Economia Mundial em 2020 - 2021
05/04/2022 - Condic aprova R$ 163 milhões em investimentos para...
02/04/2022 - A Inflação na Economia Mundial em 2020 - 2021
01/04/2022 - Indústrias instaladas em Pernambuco podem receber...
28/03/2022 - Presidente do Banco Central reitera fim do ciclo com...
25/03/2022 - Breve Análise da Economia Brasileira de 2020/21 e...
24/03/2022 - Com alta nos preços de produtos básicos, BC vê...
24/03/2022 - Guedes: Brasil está no início de um longo ciclo de...
23/03/2022 - Empresas de pequeno porte podem financiar até R$ 500...
 
 
Avenida Conselheiro Aguiar 2205 - sala 102 - Boa Viagem - CEP 51.111-011 - Recife/PE
e-mail: secretaria@borbaconsultoria.com.br

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player